Tem algo diferente no ar, tipo uma ansiedade. Você consegue sentir? É quase impossível não notar a expectativa desses dias e a atmosfera de excitação. Chegou o Carnaval minha gente! A maior festa popular do país está prestes a começar. Confetes, serpentinas, muitas fantasias e desfiles vão lotar as ruas do meu Brasil brasileiro.

Carnaval é aquele feriado mágico e esperado por todos. É quando você está cansado do novo ano e precisa de um fôlego. Quatro dias mágicos de pura liberdade pra você fazer o que quiser sem julgamentos. Você não será o vagabundo e ela não será a vadia – ambos serão apenas foliões.

O feriado é nosso, míseros humanos dependentes do prazer carnal. E pra alegria de todos na passarela, por quatro dias, humanos e generais da moral ficam de pernas para o ar. O feriado de máscaras é um tapa na cara da sociedade: podemos ser e fazer o que gostaríamos durante o ano todo, sem sermos julgados. Curtiu que eu seeeeeeeei.

É por isso que vem aquela urgência, ansiedade, descontrole e pessoas sem limites. Além do tempo curto, já fomos ensinados que no Carnaval não temos e nem precisamos ter limites. Temos apenas um desejo cravado na pele – desejo do ilícito. Andar nas ruas onde normalmente andam os carros. Trocar a noite pelo dia. Gritar, cantar, gargalhar. Falar com estranhos. Usar roupas incomuns. Um desejo de beijo, sexo, lembranças, álcool, drogas e, samba no pé. E você, já tirou a fantasia do armário – ou saiu dele?

Carnaval – expectativa e excitação

Uma coisa eu te digo querida leitora, na dúvida nesse feriado, escute o diabinho. Passamos o ano inteiro ouvindo o maldito anjinho! Sabe aquele diabinho que nos faz fazer coisas incríveis que nos arrependemos, mas que nos sustentam como míseros humanos dependentes do prazer carnal? Exatamente, volta e meia ele aparece no meio do ano pra nos lembrar de que não somos nós ali, estamos impregnados de moral e regras que não são nossas. Nós queremos e desejamos por mais.

Deixe o anjinho de canto junto com a autocensura e as convenções que te ensinaram. Tenha o poder de se satisfazer neste Carnaval da maneira que quiser – e durante todo o ano também. Se pra cada Carnaval que você pulou você tivesse agarrado um pouquinho do espírito de liberdade dele… Você consegue imaginar? Cada ano novo, um Carnaval novo e mais liberdade pra ser somada. Talvez seja isso que a gente deseje mais.

Minha única dúvida é: nestes 4 dias de festa pra onde vai todas as regras e normas que praticamos nos outros 361 dias? De onde vem toda a ousadia? Ela é colocada com a fantasia de Carnaval? E por que somos tão hipócritas ao ponto de aceitar a homossexualidade – e inclusive brincar com ela no Carnaval, e negar durante o restante do ano? E quando acaba o Carnaval e você fica sabendo que sua amiga foi pra cama com o novo boy magia dela você pensa que algo está errado. Confirma produção? Ah, francamente…