O meu plano era continuar mas parei pra pensar em você. Evitei elaborar um novo plano, seguir em frente ou ocupar a minha cabeça. Resolvi me entregar ao vício de pensar em você e imaginar nós dois. Como pode isso de pensar em você me fazer tão bem? Eu imagino os nossos possíveis diálogos e isso é mais suficiente do que ter algum cara-enfeite me perguntando sobre como foi o meu dia.

O meu plano era não ter que responder sobre o meu dia caso eu não estivesse afim. E eu substituiria todas as perguntas que me incomodam por um simples revirar de olhos, daqueles sinais que já dizem o suficiente, sabe? O meu plano era continuar construindo muros à minha volta, impedir a tua chegada e te fazer perceber que me escolher nunca foi uma opção, ou pelo menos, não uma boa opção pra você. Como você não viu?

O meu plano era continuar sem opção mas parei pra considerar você. Em meio ao caos que te proporcionei, não sei como você conseguiu sobreviver e simplesmente permanecer por aqui. Não sei como você conseguiu continuar me olhando de um jeito único e suficiente. Não sei como você quis seguir em frente. Meu plano era só continuar ou continuar só, e a diferença entre essas duas opções eu deixei pra você decidir.

Fonte: We Heart It

O meu plano era continuar decidindo por mim mesma, mas eu cansei. O meu plano parecia daqueles planos infalíveis da Turma da Mônica, sabe? E então você fez eu ignorar o meu Sansão e acreditar que eu não precisava mais me defender. Você transformou o meu plano infalível em um plano realizável e feliz. Você fez do meu caminho uma trajetória para ser percorrida a dois. E isso é novidade pra mim.

O meu plano era continuar mas você fez questão de mostrar um atalho. Eu até falaria que é típico de você, achar que sabe o melhor caminho sempre. Mas não se aplica nesse caso, não é? Quer dizer, não foi uma cilada nem nada. Não foi um caminho alternativo em que a gente segue mesmo sabendo que não vai levar a lugar nenhum. Talvez seguir contigo não tenha sido o caminho mais fácil ou rápido, mas com certeza foi o mais certo.

O meu plano era continuar sem olhar para trás, mas você me mostrou que as vezes isso é necessário. Como vamos aprender se não nos tornarmos conscientes do que já foi feito, não é? Você me mostrou a sutil diferença entre assumir o passado e se torturar por ele. E eu sou grata a você. Meu plano era continuar sem ninguém ao meu lado, mas você fez falta. Como faz? Não sei, o meu plano era continuar mas parei pra pensar em você.

Uma louca que fez da escrita o próprio divã. Crítica da vida alheia nas horas vagas. Curte um bom texto, vinho e jogar conversa fora. É viciada em paçoca e risadas. Tem coração bobo, cabelo pintado e desastres acumulados na cozinha. Atualmente mora em Sydney – Austrália.

6 comments on “O meu plano era continuar”

  1. Lindo texto, você escreve muito bem! Estou completamente encantando, me identifiquei bastante, porque às vezes faço um plano, mas as coisas acontecem de outra maneira. E com pessoas também, entende? Por mais que nosso plano seja sempre continuar em frente e tentar novas coisas, uma parte nossa vai estar apagada ao passado e isso nos impede de ir, porém em alguns casos é bom, não é mesmo?

    • Oii Gabriel, fico feliz de te ver por aqui novamente. Exato, a gente tem mania de pensar que planos são viagens ou tempo para determinada meta. Mas como faz quando é sobre pessoas? Enfim, que bom que você curtiu o meu devaneio. Beijo

  2. Lindo texto, me identifiquei muito com esse sentimento de que os planos nao sao seguiveis ou inseguiveis ainda mais quando se trata de pessoas ne da pra perceber que alguem mudou completamente o jeito de se ver a vida nesse caso pro bem eu espero rs.
    vou ler muito esse textoe refletir muito com ele.
    parabens vc escreve muito bem.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *