Essa semana li que Emma Watson vai parar de atuar por um ano para focar no estudo do Feminismo. E eu achei lindo de ver. Logo na sequência apareceu uma matéria que falava que a atriz tinha se cadastrado em um site focado no prazer feminino. E o que o cadastro da atriz Emma Watson em um site sobre o prazer feminino pode nos ensinar? Muita coisa.

Primeiro de tudo me desculpe, mas não acho que estar cadastrada em um site focado no prazer feminino é pauta para notícias. Sinto que só virou notícia porque ela é mulher. Será que se fosse um ator cadastrado no PornHub, por exemplo, viraria notícia também? É tão incomum assim que nós mulheres estejamos interessadas em ler mais sobre sexo? Será que colocarmos as nossas vontades na mesa é tão chocante assim? Se for, sinto muito, mas saia da mesa. Porque é exatamente assim que as coisas vão ser agora: tudo às claras.

Não sei porquê precisamos fingir que não gostamos e nem nos interessamos pelo nosso próprio prazer. É sério que ainda somos vistas como instrumentos de prazer masculino? Desculpa, achei que já tínhamos superado essa fase. Não somos mais submissas – exceto quando estamos fantasiando com submissão. Um dos mandamentos deveria ser: mulher nenhuma é promíscua por querer sentir prazer. Não deveria ser óbvio que a nossa sexualidade não define quem nós somos?

Sou muito a favor da produção de conteúdo focada no público feminino e que trate sobre comportamento e sexo. Gostaria que os canais de comunicação fossem cada vez mais pensados para as mulheres. Quantas mulheres não estão por aí fingindo em uma cama fria com um cara que não dá a mínima para o prazer dela ou simplesmente não sabe como dar prazer à ela? Se você se identificou com isso, por favor, pare de fingir.

Fonte: We Heart It
Fonte: We Heart It

Talvez seja uma boa hora para criar a campanha: mulheres, mostrem como vocês gostam. Com certeza a Emma Watson ia apoiar a minha campanha, vocês não acham? Sinto, pelo pouco que acompanho da atriz, que ela sabe o óbvio: as mulheres gostam de sexto tanto quanto os homens – ou mais, por que não?

Tem tanta mulher mais macho que muito homem, não é? E eu sinceramente não entendo porquê para sermos “bem vistas”, precisamos nos comportar como Amélias, esperando um príncipe e querendo uma penca de filhos. À todos os relacionamentos “papais-mamães” por aí afora, só digo uma coisa: eu sinto muito pela castração que a nossa sociedade fez e faz. 

Deveria ser ensinado nas escolas que nada do que você faça na cama será diretamente proporcional a quem você é. Afinal sexo não é definição, é prazer. Nada do que você faça na cama deveria fazer você ser julgada. Porque sexo não é julgamento, é libertação. E nada do que você faça na cama te faz ser melhor ou pior do que alguém. Simples assim.

Mulheres, mostrem muito além do que vocês gostam na cama. Mostrem o corpo de vocês, que é lindo como é. Mostrem que sacanagem também é coisa feminina. Mostrem onde fica o clitóris. Mostrem que falar besteira também é coisa de mulher. Mostrem que rapidinha também é bem vinda. Mostrem que a luz acessa também agrada. Mulheres, tomem as rédeas, fiquem por cima e gozem. E acima de tudo, sejam mais parecidas com a Emma Watson e tenham interesse pelo próprio prazer.

Aquela que fez da escrita o próprio divã. Crítica da vida alheia nas horas vagas. Curte um bom texto, vinho e jogar conversa fora. É viciada em paçoca e risadas. Tem coração bobo, cabelo pintado e desastres acumulados na cozinha. Atualmente mora em Sydney – Austrália.

22 comments on “O que o cadastro de Emma Watson em um site sobre prazer feminino pode nos ensinar?”

  1. Concordo com absolutamente tudo! Nós mulheres fomos ensinadas que é feio ter prazer, que não podemos ter prazer, que não podemos gostar disso, que devemos nos vestir de forma a não despertar prazer. Mas podemos e gostamos sim! E MUITO!

    E com certeza essa não é um acontecimento para ser pauta de notícias mundo afora, né? Tanta gente morrendo de fome no mundo e o que vai ser falta é uma mulher assumindo publicamente que tem prazer.
    Beijos,
    Duda http://www.ensaiopoetico.com/

  2. Aplaudindo de pé, Rebeca! E concordo plenamente que se fosse um homem, ninguém ia ligar.
    A questão é que a mídia ainda tem medo de jogar a real. A literatura ainda tem medo de colocar uma história erótica de uma mulher que não queira um relacionamento e que não acabe em casamento, infelizmente (já falei que vou mudar isso! rs). Mas um passo de cada vez… acredito que estejamos no caminho certo!
    Beijo.

  3. Acho a Emma uma mulher inspiradora e quem vem quebrando tabus. É por ver esse tipo de matéria sensacionalista que o mundo está do jeito que está. Achei sua postagem relevante sobre o assunto e concordo com você se fosse um homem no lugar da Emma a noticia não teria tanta repercussão.

  4. Concordo totalmente com o texto. Nós crescemos em uma sociedade onde é normal um homem querer sentir prazer, e “aliviar” com as próprias mãos, mas quando é uma mulher, as pessoas tem vergonha de falar, estranham quem faz.
    Por isso que é normal ver mulher que nunca gozou. Além de ter cara babaca que não se importa com a parceira, existe mulheres que não tem vergonha de conhecer o próprio corpo.

    Beijos, Love is Colorful

  5. Rebeca-san, apoio completamente sua campanha. Nunca fui nem serei uma Amélia – como você citou. Pelo contrário, já muito fui julgada por não atender aos estereótipos femininos que a sociedade prega. Por não ser sensível, fisicamente frágil ou delicada como pregam que as garotas devem ser, já recebi olhares tortos. Por ser forte, parece que assustamos alguns homens – ou melhor, moleques – que esperam que sejamos apenas princesinhas a espera do príncipe encantado. Ah, não, isso com certeza não serve para mim.
    Sou fã da Emma Watson desde que ela era uma criança (e eu era um pouco mais nova), e após essa decisão ela subiu ainda mais em meu conceito. Concordo com o que você disse, em todos os sentidos. Essa notícia só tomou repercussão na mídia porque ela é uma mulher. Caso fosse descoberta a conta de um ator num site de pornô, o máximo que aconteceria seria uma entrevista perguntando os fetiches dele, e olhe lá 😒 “Naturalmente” seria ignorado, pois ele seria homem e homens têm desejos, certo? Ah, certo. Mas mulheres também os têm, e são privadas de demonstrá-los em prol da figura idealizada produzida pela sociedade, que diz que mulheres não podem sentir desejo ou prazer carnal. E tento fazer da minha vida um exemplo disso. Não vou mudar meu modo de agir por causa desse nhe-nhe-nhem social. Não serei uma Mary Sue apenas porque os outros querem que eu o seja. Nunca mais deixarei que controlem o meu modo de vestir por despertar olhares – se eu quero usar shorts ou saias acima do joelho, o problema é meu. Sinceramente, não consigo entender o que é tão interessante sobre fofocar da vida alheia. Se você não se agrada com o que fulano ou ciclano faz, a resposta é simples: não faça. Apenas respeite.
    É difícil para nós, mulheres, que lidamos com preconceitos praticamente nossas vidas inteiras. Quem nunca ouviu um “sente que nem mocinha!” ou um “isso não é coisa de menina!” quando criança? Quantas de nós já brincamos de boneca ao invés de carrinho apenas porque assim nos foi ordenado? Quantas de nós, eu pergunto, já não desejaram ter nascido meninos, não necessariamente por ter problemas com seu gênero de nascença, mas para gozar dos mesmos liberdade e direitos? Quantas vezes já não ouvimos ofensas ou opiniões como “lugar de mulher é dentro de casa, cuidado dos filhos e do marido”? Eu mesma durante um tempo, sofri com muitos estereótipos… Até que a ficha caiu. Eu não precisava me esforçar para atender demandas estupidas e inalcançáveis. Eu podia apenas ser eu mesma, e lutar para manter isso assim. Lutar pelos meus direitos, pela minha liberdade, pelo meu gênero. Mas não tão somente, lutar também pela igualdade. Em todos os sentidos, do racial ao sexual. E mesmo que eu não faça grandes movimentos, espero que meu curto alcance seja o bastante para influenciar as pessoas ao meu redor, meus amigos e família, e que esses, aos poucos também transmitam essa semente.
    Espero que um dia todas nós tenhamos liberdade de expressar livremente nossas vontades, nossos desejos e pensamentos. Que nós possamos, finalmente, viver livre de fórmulas, formas e “achismos da sociedade” (parafraseando a Simone-san, de um comentário acima), e então ser felizes pelo que realmente somos ao invés de vestir máscaras de sorriso e fingir que tudo está bem enquanto tenta desesperadamente se encaixar em um molde social.
    Obrigada. Rebeca-san. Seus textos são incríveis, de verdade. Você carrega a força de vontade de diversas de mulheres com você, e representa/influencia a todas nós, creio eu. Agradeço e parabenizo novamente. ❤

    • Oii! Com certeza me comovi com seu comentario. Talvez voce que tenha que ter um blog, voce escreve bem! Obrigada pelo apoio, é muito importante pra mim. Fico feliz de saber que muitas pessoas estao se identificando com a minha forma de me expressar. Muito obrigada mesmo! <3

  6. Sim, uma coisa que aparentemente é tão normal e comum e que já deveria ter sido aceita e superada, não dá pra entender como ainda vivemos de maneira tão retrógrada. Não sabia que a Emma estava envolvida com estudos feministas, fiquei bem feliz ao ler aqui :)


    Beijos
    Brilho de Aluguel

  7. Que texto do caralho.
    Disse tudo o que pensei quando vi essa matéria: DECEPCIONANTEMENTE tão “surpreendente” para tantas pessoas.
    No fim das contas, foi até bom, porque textos como o seu puderam ser escritos, mulheres podem ponderar que se a própria Emma Watson, independente, linda e incrível admite gostar do site, porque elas próprias não podem se interessar também?
    Tem uma imagem massa que diz “não finja orgasmo, deixe o cara saber que ele fode mal!”. Ou mina também no caso de um casal de lésbicas.
    Submissão apenas se for fetiche.
    Além do que, saber se satisfazer é o primeiro passo para que outra pessoa possa fazer isso por nós.

    Sua linda <3 Manda bem demais!!!!!!!!!11111
    mil beijos

    • Oii Beca! Tambem penso isso.. Se essa “noticia” acabou saindo e chocando o mundo, pelo menos vamos olhar para o outro lado e tomarmos isso como motivo para sermos cada vez mais livres. Super obrigada por participar do blog. Beijo grande <3

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *