Eu sei que eu estou aqui do outro lado do mundo, mas só pra saber: por aí ainda existe saudade? Ou será que você já esfriou o suficiente para nem se dar o trabalho de sentir? Eu sei que a ideia foi minha, eu sei que fui eu que vim, eu sei que fui eu que fugi – mas foi você quem ficou, oras.

E tudo bem que eu faço essa cara de quem não sente nada. E todas as legendas das minhas selfies são super mega positivas e de bem com a vida – sem contar as hashtags. Mas poxa, eu sinto sua falta. E cada vez que tem alguma atualização sua ou seu nome na rede, eu abro meio sorriso. E como você pode ver, ingênua do jeito que sou, ainda cumpro a minha promessa: sorriso inteiro só com você. 

Por ai rola saudade

Por aí ainda rola aquela pressão monstra em cima de você e dos seus medos? Medo de falhar, medo de nem chegar a tentar, de não ser, de não querer ser? Você ainda se assusta com crianças nas janelas? Você ainda fica horrorizada com sua própria cara de bêbada? Você ainda se assusta com o espaço que eu deixei por ai? 

Pelo tempo que eu organizei tudo e vim eu sei que pareceu uma fuga – e talvez senha sido. E o meu jeito ingênua ainda me faz criar umas expectativas tão bobas. Eu realmente não consegui fugir e isso é um pouco assustador. Eu tenho medo de não conseguir superar os meus medos, mas realmente fico apavorada por não ter a sua força para enfrenta-los. Vai ver que é por isso que eu sou toda muros, paredes e labirintos. 

Tudo bem que me encontrei aqui e etc (toda aquela história que a gente conta pra mãe), mas aqui não tem você. Não tem suas risadas e o jeito como você tira sarro de todos os meus problemas que não são problemas. Não tem você me socorrendo quando eu não precisava de socorro, e sim de um afago. Não tem você debochando de mim e o quanto queria fazer um striptease com o meu corpo sem eu saber. Não tem você me ensinando a ser eu.  Só não tem você, todo o resto tem. 

Aí do lado do oceano Atlântico você queria ter um tele transporte? Eu por aqui estou aceitando telepatia… Sei lá, você também pensa em mim? Do quanto fizemos uma pela outra? Do quão especial podemos nos tornar com tão pouco? Além de toda essa distância, é possível você se manter mais distante? Por aí ainda existe saudade?

Aquela que fez da escrita o próprio divã. Crítica da vida alheia nas horas vagas. Curte um bom texto, vinho e jogar conversa fora. É viciada em paçoca e risadas. Tem coração bobo, cabelo pintado e desastres acumulados na cozinha. Atualmente mora em Sydney - Austrália.

32 comments on “Por aí ainda existe saudade”

  1. MEU DEUSSSS!! É tão louco como a gente passa por coisas parecidas, não??
    Tem gente que parece que esfria que não sente mais saudade, que nada aconteceu… Que a gente não passou pela vida deles..
    Enfim, com a distância penso que “ou vai ou racha”, o que é bom e ruim, a gente acaba percebendo quem é que sente nossa falta de verdade e quem não estava nem aí. É tipo um choque de realidade.
    Quando você volta pro Brasil?
    Beijinhos,
    Duda Kiame
    http://www.ensaiopoetico.com/

    • Oii Duda! HAHAHAHA Verdade, parece que estamos no mesmo momento. Eu tambem usei minha viagem pra dar uma filtrada geral no que me faz bem ou nao. (ou quem). Nao tenho pretensao de voltar pro Brasil por enquanto. So para visitar. Se tudo correr bem, fico morando por aqui mesmo! =) Obrigada por participar. Beijinhos

  2. Seguraaaaa Polianaaaa que é só a Rebeca te matando de amores!!! Perfeito texto, perfeita amiga, perfeita menina, perfeita mulher… É assim que sempre te vi e sempre vou te ver, “complicada e perfeitinha”. Amiga, você sempre foi ótima em palavras, e esse texto resumiu perfeitamente a saudade que sinto, hoje sou tomada por saudade… Nessa fase da minha vida, você tem feito uma falta absurda, quando minha voz embarga eu queria tanto ter você aqui pra tomarmos um “porre” de lagrimas e risadas, aquela nossa loucura tao intensa de cumplicidade!! Sou obrigada a confessar uma fraqueza minha, amiga sinto muita saudade, tanta saudade que dói, mas eu tento não pensar, desvio meu pensamento de você, me desculpa! Ainda não aprendi a lidar com isso… Mas é só na hora de saudade mais apertada, pois logo vem você na minha cabeça, ruiva, gostosa e sorrindo de orelha a orelha, porque acredito que você nasceu pro mundo, nasceu pra estar aonde você está. E eu me conforto em ver você, ouvir você e conhecer de longe um pouco desse seu novo Lar!!! Vibro a cada conquista… E continuo rindo das suas “loucuras”, dos seus “momentos bizarros”, mesmo que um pedaço do meu coração se aperte nesses momentos, eu dou risada porque sei do que você é capaz, que você tem uma força absurda, e é muito melhor do que um dia você poderia se enxergar… Mas minha menina tá crescendo rápido, e eu sempre estarei aqui para aplaudir cada vitória e cada dia superado. Eu continuo tendo medo das crianças na janela, sempre vou continuar assim como minha saudade sempre vai existir, como nossa amizade sempre vai estar intacta. Vou sempre estar aqui no seu momento forte, no seu momento fraco, no seu momento ingênua, porque essa é você, essa é a Beca que eu amo e admiro. Pra mim nunca pareceu uma fuga, e sim uma busca pelo seu espaço, um espaço pelo qual você tem conquistado e me orgulho demais! E só mais uma coisinha dona Rebeca, nunca mais diga que aí não tem eu, ou que aqui não tem você, porque tem um pedacinho de você em mim, e um pedacinho de mim em você, somos irmãs de coração e isso não nos separa jamais!!

    • Aiiii voce tem um blog de texto, mas recebe um comentario e fica sem palvras – nao sabe nem como responder. Um “obrigado pela amizade” nao diz tudo. E parece que nem o melhor texto vai ser capaz de agradecer e fazer valer. Muito amor envolvido. <3

  3. Olha só quem está por aqui novamente. rs
    Que texto lindo, Beca. Seja amor, seja amizade, seja os dois, saudade é um sentimento que não cabe na gente. Uma crueldade do universo para nos lembrar que não temos todas as pessoas o tempo todo. “Não tem você me ensinando a ser eu”. Embora de vez em quando a gente dê umas risadas altas, se divirta bastante, alguns momentos a vontade de alguém vem nos perturbar.
    E às vezes a gente nem sabe se a pessoa sente o mesmo também.
    Escrevendo linda demais, como sempre!
    Um beijooo s2

  4. Primeira coisa: que texto e blog lindos! Desculpa não ter passado por aqui antes.
    Segunda coisa: esse texto me fez chorar porque sinto boa parte do que tá aí.
    Terceiro: VAMOS MARCAR UM CAFÉ QUE A GENTE TA DO MESMO LADO DO MUNDO HAHAHAHAHAAH

    Beijos

  5. Lindo texto, de verdade. Sentir saudade e não poder matá-la é uma das piores sensações do mundo, mas pior ainda é não saber se essa saudade é correspondida. Sofrer sozinha parece ser tão mais duro e frio. Odeio me perguntar como seria, o que a pessoa sentiu ou está sentindo, odeio ficar sem respostas. E pra consolar, só as lembranças.
    Adorei o texto, me identifiquei muito <3

    http://nostalgiacinza.blogspot.com.br/

  6. Seu texto me levou de volta aos dias em que falar com a pessoa que eu mais queria não era possível e só me restava imaginar como ela se sentia e se também pensava em mim, é uma das piores dúvidas né?
    Não importa se é por orgulho ou medo, aprendi que a resposta nunca vai chegar se eu não criar coragem e perguntar e hoje em dia sempre falo tudo o que tenho vontade porque sei que não posso deixar para depois.
    Adorei o texto, beijo!

  7. Meu dilema é quase o mesmo, com a diferença de que não é um oceano que faz a separação é aquela velha história de tão perto, mas ao mesmo tempo tão longe. E essa pergunta ainda não teve resposta pra mim: “Ainda existe saudade por aí?” Talvez com a resposta facilitasse a minha vida, ou não.
    Texto maravilhoso Rebeca! Beijos!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *