Eu sempre pensei que um dia eu precisaria de longas horas pra te explicar por onde eu estive. Até o momento chegar e eu achar melhor a gente ficar em silêncio, ouvindo os nossos goles de vinho. Eu sempre achei que precisaria te contar com mais detalhes sobre as minhas decepções e o motivo por eu ter permitido que elas me machucassem tanto. Até eu perceber que nem deu tempo, quando vi, você já estava limpando as feridas e colocando um band-aid. Eu sempre pensei que deveria te explicar sobre os sonhos que deixei pelo caminho, até que você sorriu e me fez querer sonhar de novo.

Sabe, eu sempre achei que eu deveria colocar em palavras os meus demônios pra não te deixar lutando contra eles por você mesmo – sem ajuda. Isso seria egoísmo, mesmo vindo de uma pessoa egoísta. Mas foi muito melhor descobrir que além de você não se importar com meus demônios pairando no ar de vez em quando, você também não se importa em enfrentá-los. E a sua coragem de me enfrentar todos os dias me encanta.

Eu gosto disso. De ser contrariada. De ser desafiada. E acima de tudo: de ter alguém pra rir de todos os problemas que eu crio quando tudo o que precisávamos era só de mais uma taça de vinho. Eu gosto disso. De ter alguém para me fazer acreditar nos sonhos que eu já tinha abandonado. Faz muita diferença ter alguém que me fale que não devo deixar nenhum sonho pra lá, mesmo que seja meio infantil realizar agora. Eu gosto disso. De ter alguém que segure a minha mão e diga que vai comigo aonde quer que eu vá – sem importar o quão longe seja.

We Heart It
We Heart It

Eu sempre achei que para onde eu iria ninguém jamais ousaria me acompanhar. Até você chegar e me fazer companhia. Uma parceria tão sutil, que quando vi, você já estava acessando a minha Netflix, abrindo o meu próprio vinho e sentindo-se em casa. Eu sempre achei que os lugares por onde eu estive falavam mais sobre mim do que eu realmente era. E isso ainda é uma das minhas dores. Não para você, é  claro. Já que você chegou, colocou o meu passado realmente no passado e continuou do meu lado me ensinando a pensar no agora. Eu sempre pensei que eu já estava quebrada demais, sofrida demais, cansada demais para tudo isso. Até você chegar e me mostrar que eu realmente mereço ser feliz – todo santo dia.

Eu sempre pensei que eu precisaria de muito tempo para te contar, me defender e explicar tudo o que aconteceu e por onde eu realmente estive. Pensei que eu deveria compartilhar as histórias de todas as minhas cicatrizes e deixar avisado quais ainda doem. Mas nem precisou. Você chegou, leu os meus olhos e entendeu o recado. Onde dizia frágil, você interpretou como forte. Onde dizia menina, você leu como mulher. Onde dizia mais uma, você aceitou como somente sua. Ao fazer tudo isso você me considerou como ninguém nunca havia feito. E acima de tudo: você me mostrou que o nosso tempo é precioso demais para gastarmos falando sobre onde eu estive.

Aquela que fez da escrita o próprio divã. Crítica da vida alheia nas horas vagas. Curte um bom texto, vinho e jogar conversa fora. É viciada em paçoca e risadas. Tem coração bobo, cabelo pintado e desastres acumulados na cozinha. Atualmente mora em Sydney - Austrália.

6 comments on “Por onde eu estive”

  1. “Onde dizia frágil, você interpretou como forte. Onde dizia menina, você leu como mulher. Onde dizia mais uma, você aceitou como somente sua. Ao fazer tudo isso você me considerou como ninguém nunca havia feito. ” Ai, seus textos! <3
    É tão maravilhoso ter alguém que se importa com a gente né? Texto íncrivel, parabéns!
    Abraço

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *