Quem disse que você é muito? Quem disse que teu jeito de sentir, viver e amar é exagerado? Quem olhou pra você e, em vez de surpreender-se com a sua autenticidade, disse que você deveria ser menos e sentir menos? E o que é isso de ser muito ou pouco? Essas palavras não são adjetivos, como vão descrever alguém?

Quem disse que o mundo precisa de menos? O mundo já está cheio de pessoas que não sabem quem são ou pra onde estão indo – se é que estão indo para algum lugar. Estamos implorando por novidade, por algo que nos chame a atenção e nos roube o pensamento. Estamos todos no mesmo barco tentando nos controlar para não enlouquecer.

Quem disse que você é muito? Sentimos falta de pessoas corajosas que querem seguir em frente, ou simplesmente seguir. O mundo já está cheio de pessoas sem brilho, assustadas demais para assumirem quem são. Sabe como é, sentimos falta de quem não se desculpa por ser autêntico. O mundo precisa é de quem sente, vive e ama sem filtro algum.

Quem disse para ser pouco? Não é possível controlar quem somos ou enjaular a nossa essência só para sermos aceitos e continuarmos nesse barco indo pra lugar nenhum. Quem disse que você é muito mais do que o mundo precisa? Ironicamente perguntamos: quem sabe do que o mundo precisa?

Quem disse que você é muito? Somos obrigados a discordar. Não seja pouco, neutro e nem fique em cima do muro. Estamos todos entediados! Socorro. Não seja menos, e sim tudo o que você é, desde a bagunça da sua mente até os sentimentos que transbordam. Não tente controlar a forma em que teu coração bate. Você não é muito, você é você.

.

Aquela que fez da escrita o próprio divã. Crítica da vida alheia nas horas vagas. Curte um bom texto, vinho e jogar conversa fora. É viciada em paçoca e risadas. Tem coração bobo, cabelo pintado e desastres acumulados na cozinha. Atualmente mora em Sydney – Austrália.

28 comments on “Quem disse que você é muito?”

  1. Estou apaixonada na sua foto ♥ Seu texto me despertou um pensamento, lutamos a vida toda para ser muito e sempre se encaixar em algum lugar, mas por vezes nos sentimos pouco, ficamos frustrados, entediados e tristes, e não enxergamos que a vida pode ser mais simples e leve se a gente se dedicar a sermos apenas nós mesmos.
    Charme-se

  2. Oi Rebeca!
    Concordo com os dizeres do texto. A sociedade, na ideia constante de padronizar, tem essa inevitável mania de querer que ninguém se sobressalte, que tudo seja mantido na mesma linha, na mesma intensidade, na mesma fórmula… mas somos todos indivíduos, únicos, cada um com sua capacidade e forma de sentir e, a melhor mensagem é sempre lembrar a cada um que podemos e devemos ser nós mesmos, transbordar, sentir e viver, da melhor maneira, da melhor intensidade! <3 <3
    xoxo

  3. Gosto de gente que transborda <3
    Que texto lindo. Me lembrou uma entrevista da Pitty de anos atrás, quando perguntam para ela "Você chora?e ela diz "Choro, choro muito porque sinto muito". Acho que diz muito sobre o texto.
    E que fotão ein? No momento certo!

    Um beijo

  4. Esse texto é muito maravilhoso e perfeito. As pessoas se assustam com quem é diferente delas infelizmente se dependesse da maioria seriam todos iguais e amargurados da vida por medo de arriscarem…amei sua foto ficou muito linda

  5. Eu amei demais seu texto, pois me identifiquei demais, sempre fui muito intensa, logo inúmeras vezes fui taxada de exagerada e até mesmo espalhafatosa, mas não deveríamos parar de ser do jeito que somos porque as pessoas não conseguem aceitar as nossas intensidades. Não somos muito isto ou aquilo e não existe apenas uma forma de ser, né?

    Beijos da PINGUIM TAGARELA

  6. Oi Rebeca, tudo bem? Simplesmente sem palavras diante desse post. Acredito realmente que as pessoas perderem seu brilho, perderam a vontade mostrar ao mundo quem realmente são, sempre esperando aparecer alguém que ilumine o ambiente. Sempre esperando que alguém dê a direção, que mostre o que fazer, que mostre como viver a vida. Ao mesmo tempo que as pessoas querem ser independentes elas sentem receio, frio na barriga e esperam que alguém de fora dite as regras. Está tudo tão igual, tão mais do mesmo, que é legal quando encontramos pessoas seguras de si, que se amam como são e querem mostrar ao mundo o quanto são especiais. Post incrível. Beijos da corujinha, Érika =^.^=

    • Oii Erika! Sempre fico feliz com os teus comentários aqui. Exatamente. Precisamos estar mais conscientes sobre nós mesmos para que possamos escolher como queremos levar a nossa vida. Não precisamos de ninguém de fora pra nos dizer por onde seguir. Somos todos merecedores do nosso próprio caminho, independente qual for. Obrigada por participar. Beijo =)

  7. Oi Rebeca! Que imagem linda essa do seu insta! Já te segui por lá!
    O seu texto está igualmente lindo. Me encantei por cada linha dele, mas especialmente nessa frase aqui “O mundo precisa é de quem sente, vive e ama sem filtro algum”.
    Vivemos em um mundo em que as pessoas têm medo de demonstrar o que sentem (eu me incluo aqui) e que amam. Têm medo da própria vulnerabilidade, porque amar e sentir é isso, estar exposto, dar a cara à tapa e isso assusta e muito. Curiosamente, isso me lembra que algo que minha professora de gestão do design disse na primeira aula. Todo mundo quer ser amado. Todo mundo quer ser aceito. E fiquei pensando que apesar dessa necessidade que todos têm de se encaixar em algum lugar,de ser amado, também têm medo de amar. De se expressar. De simplesmente ser. É difícil viver uma vida sem filtros. Por mais que a gente tente, vez ou outra acabamos desempenhando um papel que não condiz com nossa essência. Nos mascarando, nos cobrindo, mostrando apenas aquilo que queremos que o outro enxergue. Não sei até que ponto isso é bom ou ruim. Ou se de fato precisa ser alguma coisa além de ser. Mas recentemente, a mesma professora que mencionei antes, fez todos os alunos ficarem ‘vulneráveis’ ao pedir para que contássemos sobre nossa vida, nossas lembranças, sobre as coisas que nos motivam. E vou te dizer, deu medo. Deu medo mostrar pra todo mundo onde doía e me perguntar se achariam bobo. Deu medo não poder me refugiar dentro de mim, mas colocar tudo pra fora. Não sei dizer se foi bom ou ruim, na hora parecia horrível, parecia não haver espaço o suficiente naquela sala lotada de alunos, mas depois que foi, era simplesmente isso. O ato de simplesmente ser e sentir, sem filtros, sem máscaras, sem interpretações. E não tem nada mais libertador do que ser quem realmente somos, mesmo sem saber ao certo quem somos.

    • Oii Kim!! Adoro quando você participa do blog. Obrigada pelo seu comentário. É isso mesmo. Tentamos e tentamos o tempo todo seguir como queremos mas ao mesmo tempo isso nos torna expostos e sentimos medo, igual aconteceu na sua sala de aula. Mas isso é o lindo da vida. É parar e questionar os nossos valores e o motivo pelo qual sentimos ou recuamos. Obrigada por participar. Beijos =)

  8. Eu preciso dizer primeiramente que to amando essa sua fase de usar as próprias fotosssssssss

    E você, autêntica, linda, que vive intensamente o amor que transborda do seu coração, admiro muito <3 Não somos muito, somos quem somos! E que se formos muitos, que sejamos muito nós mesmas, muito especiais, muito amor, muita energia boa.
    Você é 10 s2
    mil beijos

  9. Simplesmente amei seu texto, bem reflexivo e essencial. Ser muito ou pouco depende de com quem se esteja comparando e quando começam as comparações, perde aquela autenticidade. Gostei demais desta frase “Sentimos falta de pessoas corajosas que querem seguir em frente, ou simplesmente seguir”. Beijos

  10. Oi, Rebeca! Tudo bom?

    Achei interessante ler seu texto nesse momento, porque hoje mesmo me desculpei por ser muito: por querer engolir o mundo e querer fazer mais coisas do que as 24 horas do dia me permitem. Por não me satisfazer com o pouco que poderia fazer nessas horas limitadas, por sempre me desdobrar em duas, três, quantas fossem necessárias – as pessoas não entendem, mas é ser muito que me faz não ser nada!

    Abraços,
    Gislaine | Literalize-se

  11. Eu amo ler seus textos, eles são sempre muito inspiradores. As fotos também combinam bastante com tudo o que você que passar.
    Esse texto me lembrou coisas que eu vejo na internet hoje em dia: pessoas que se vangloriam por “não sentir”, que zombam de quem pode ser muito sentimental. Parece que se esquecem que as pessoas são diferentes, que cada um sente a vida a seu modo, com sua própria intensidade, e isso nunca deveria ser julgado.
    Adorei :*

    • Oii Luu, fico feliz em te ver aqui de novo. Cada um tem seu caminho, sua poesia e seu jeito de sentir. Realmente parece que o mundo esqueceu que somos todos diferentes buscando pelo nosso melhor caminho. Obrigada por participar Lu. Beijo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *