Eu tenho essa mania de tentar deixar a vida organizada através de playlists. Sou daquelas que paga feliz o Spotify, porque super vale a pena. Sabe como é, músicas e momentos guardadas em um único lugar. Eu estava em uma fase boa, com uma playlist animada e cheia de músicas embalando o meu momento de amor próprio, até você chegar.

Você chegou de fininho com umas músicas tradicionais e de fácil agrado – daquelas que você encontra versões diferentes porque realmente são boas, sabe? Eu reparei as poucas vezes em que você arriscou uma batida diferente. Eu vi o teu esforço e isso me fez sorrir. Dizem que você pode definir alguém pelo gosto musical, mas depois de você eu sou obrigada a discordar.

Tudo bem que o nosso gosto musical não batia muito, e a maioria das vezes em que eu falei que gostei de alguma música sua foi só pra te agradar e te manter motivado tentando me agradar. Coisas que o ego faz, sabe? Mas ainda assim, eu salvei todas as tuas recomendações e guardei todos os teus detalhes. E só pra você saber, as tuas sugestões foram melhores do que as do Spotify.

Eu posso ser meio inocente e você pode estar em uma situação mais fácil que a minha, só nunca pensei que o nosso ritmo seria um problema. E ainda assim aqui estamos, ou melhor, eu estou. A tua batida me fez bem e o teu embalo me ajudou – talvez quando eu mais precisei. E por isso quando uma das nossas músicas tocar eu vou reagir com um sorriso.

Mas e aí, faz o que agora? Não consigo pensar em ouvir a playlist que a nossa convivência criou, tem muito significado lá e a maior parte eu ainda não entendi. Não deu tempo. Mas e aí, faz o que agora? Como a gente continua atualizando uma playlist que não pode mais ser tocada? Talvez seja melhor não dar o play e assim abrir espaço para uma nova batida.

Sabe como é, enquanto houver Spotify eu me viro. Eu vou começar uma outra playlist, ou algumas outras. Não é assim que a vida é? Eu vou continuar fuçando no Spotify até achar algo pra preencher esse vazio meio chato que o teu silêncio causa. Eu vou calar as minhas ideias de te procurar com uma música bem alta e vou seguir o meu caminho sem te ouvir mais. Não existe espaço pra dar play ou pause, somente stop.

Aquela que fez da escrita o próprio divã. Crítica da vida alheia nas horas vagas. Curte um bom texto, vinho e jogar conversa fora. É viciada em paçoca e risadas. Tem coração bobo, cabelo pintado e desastres acumulados na cozinha. Atualmente mora em Sydney - Austrália.

9 comments on “Você acabou com a minha playlist”

  1. ESSE TEXTO FOI UM BELO TAPA NA MINHA CARA
    PODIA TER COLOCADO UM AVISO ANTES P GENTE SE PREPARAR

    Meu dilema: “Como a gente continua atualizando uma playlist que não pode mais ser tocada? Talvez seja melhor não dar o play e assim abrir espaço para uma nova batida.”

    […]

    boa noite né
    fjsdlkjf
    fico por aqui
    às vezes a gente n precisa nem dizer né

    AH E EU AMEI ESSE TEXTO COM MEU CORAÇÃO
    mil besitos

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *