Você me quebrou, sabia? E agora ficou toda essa bagunça pra eu resolver. Nem sei por onde começar. Tem pedaços meus espalhados pela casa junto com o seu perfume. Se eu ficar quieta ainda consigo ouvir o som da sua voz e o barulho do meu coração quebrando. Não faz sentido ajoelhar e me cortar com os meus próprios pedaços. E ainda assim, cá estou. Então me diz, onde você está se não aqui?

Agora preciso colar os pedaços e ver o que sobra. Não que eu tenha muita opção e não que depois de você exista muito lugar no mundo pra mim. Mas e se a cola não for suficiente pra segurar tantos remendos assim? Do que é feita essa maldita cola: mentiras ou mais ilusões? Eu estou reconstruindo o que você quebrou sem sua ajuda, como se a responsabilidade fosse somente minha. Ao menos você percebe a ironia, não?

Isso me faz lembrar de quando você quebrou um copo na casa dos meus pais na primeira vez que você foi lá. A gente ria enquanto limpava a bagunça. E aqui estou eu limpando a nossa bagunça de novo – mas sem achar graça. Quando foi que eu fiquei responsável pela nossa bagunça sozinha? E quando foi que paramos de rir? Talvez essa faxina seja a mais difícil de todas: me limpar de você.

we go hard or we go home 💥

A post shared by Bárbara Santiago (@bahsantiago) on

Você me quebrou, sabia? E agora, além de colar os meus pedaços, eu vou precisar limpar o que sobrou. Passar um pano e um multiuso pra tirar a sua camada de julgamento, críticas e palavras maldosas. Isso enfraquece a cola – isso enfraquece nós dois. Também vou precisar deixar ventilar pra secar, sabe? Ainda não decidi se vou deixar na varanda – onde a gente passou a maior parte do tempo juntos, ou perto de qualquer janela.

Isso me faz lembrar de quando a gente brincou de colagem na escola e você achou que tinha feito uma obra de arte. O problema nessa brincadeira é que precisamos esperar pra ver o resultado. E digamos que no dia seguinte a gente descobriu você não tinha jeito pra arte. Naquele dia rimos até chorar e no meio do seu riso você me disse que queria ouvir o som da minha gargalhada pra sempre.

É cômico isso, porque eu quase não lembro do som da minha própria gargalhada. Agora carrego comigo uma vaga lembrança de quem eu fui e não faço ideia se ainda tenho espaço pra ser quem eu quero ser. Logo eu, menina risonha e apaixonada pela vida. Você me quebrou, sabia? Logo você, menino que cumpre o que promete. Ao menos você percebe a ironia, não?

Aquela que fez da escrita o próprio divã. Crítica da vida alheia nas horas vagas. Curte um bom texto, vinho e jogar conversa fora. É viciada em paçoca e risadas. Tem coração bobo, cabelo pintado e desastres acumulados na cozinha. Atualmente mora em Sydney - Austrália.

22 comments on “Você me quebrou, sabia?”

  1. Chegou a menina dos lacres, hahahah que textooo, guria! Como todos os teus, um arraso. Como a Cami comentou, quebrou meu coração também!

    Já fui quebrada diversas vezes, e demorou até eu achar alguém que quisesse ficar e construir algo comigo. O pior é que a gente se quebra muitas vezes, e ainda assim às vezes insiste naquilo que sabe que não é certo.

    Beijos!

    Letras na Gaveta

    • Olá Graziela, seja bem vindo ao blog. Sim, é. Eu quis deixar bem sutil, porque a maioria dos relacionamentos abusivos é difícil perceber que é, entende? Mas você está certa e fico feliz que você percebeu. Obrigada por participar. Beijos

  2. Lendo teu texto pensei nas vezes em que fui quebrada, mas não fiquei triste, fiquei feliz, de ver que minha cola foi boa, resistente, e hoje não me quebram tão fácil, pode até lascar um pedacinho, mas eu coloco de volta facilmente, em pouco tempo.
    Passamos por situações e momentos por que temos que passar, pra aprender, pra crescer, pra amadurecer. Gostei muito de ler teu post, me fez olhar pra trás e ver que eu sou mais forte que lembrava ser. Obrigado!

  3. Antes de mais nada, quero dizer que admiro demais quem consegue organizar os pensamentos de tal forma a criar um texto como o seu. Parabéns *-*

    Quanto sob assunro, é complicado pensar que certas pessoas vão nos fazer quebrar e que a gente vai ter que parar se carregar sozinho um relacionamento para começar a resolverá NOSSOS problemas sozinhos! Mas as coisas são assim… ficam variando entre dias bons e ruins </3

    Beijos!

    • Olá Luana, obrigada pelo carinho. Por incrível que pareça escrever me ajuda organizar as ideias e não o contrário. =) Realmente tudo na vida é uma questão de fase, as vezes teremos dias bons e as vezes não. Obrigada por participar e espero te ver aqui novamente. Beijo

  4. Nossa, este texto me tocou bastante, pois lembrei de mim mesma há alguns anos atrás quando estava em um relacionamento abusivo. “Logo eu, menina risonha e apaixonada pela vida.” Eu era assim antes deste relacionamento. Demorei um pouco para me reestruturar e hoje ainda tenho algumas sequelas, mas voltei a ser aquela garota cheia de sorrisos. Mas fico triste em pensar que há muitas mulheres que não conseguem sair disso ou sequer enxergam que estão nesta situação. Belíssimo texto, apesar de ser triste.

    Beijos!

    • Oii Aninha, seja bem vinda ao blog. Eu tentei deixar a parte do relacionamento abusivo bem sutil no texto… Pois como você falou, muitas mulheres ainda vivem essa realidade. Fico feliz que isso passou pra você e você voltou a ser a garota risonha. Muito obrigada por participar e espero te ver aqui novamente. Beijo

  5. Oi Rebeca, tudo bem? Você sempre nos surpreendendo com seus textos. Fiquei admirada com as palavras e a cada parágrafo fui imaginando a situação descrita. Quando alguém sai de nossas vidas realmente sentimos algo despedaçando, parece que algo de nós vai junto com ela e sobra apenas um espaço vazio. Perfume pela casa, silêncio ensurdecedor, e a ausência. Sentida ainda mais dentro do nosso coração, que parece ter sido quebrado em mil pedaços :( Lindo texto, parabéns! Beijos, Érika =^.^=

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *