Você já se sentiu azarado? Já passou por um dia em que nada dá certo? Sabe aquele dia em que você acorda com o pé esquerdo? Exatamente em dias assim sempre nos perguntamos “por que eu?”. Sinto dizer, mas às vezes não é você e sim o acaso.

Sempre disseram que sorte e azar são coisas do acaso e não determinadas pelo destino. Não está escrito em sua ficha vital que você irá ter sorte do dia 15, 23 e 30 de novembro e azar nos dias 2, 7 e 19 de dezembro. Se fosse assim, você esperaria um dia de sorte e apostaria na loteria.

Não, não é assim que funciona. Sinto muito caso você tenha derramado o molho do macarrão no seu vestido branco novinho. E sinto muito que o pneu furou e você se atrasou para aquela reunião. De qualquer forma, é assim que é: imprevistos acontecem e não há nada que você possa fazer.

O que determina os imprevistos é o acaso e não algo que vai de acordo com a cor da sua aura. É justamente o contrário, acaso é um sem querer, algo não premeditado, é um não planejamento sem fim.

Concordo que muitas pessoas acreditam em destino. Mas não exagerem ok? Não foi o destino que fez passar aquele carro vermelho na sua frente como um sinal para você ligar para ele. Não foi o destino que mandou um dia radiante para te obrigar a faltar o serviço e ir à praia. Não, essas decisões foram tomadas por você.

Ok, se você se iludiu e achou mesmo que era um sinal de destino é outra conversa. Realmente acredito que nem todas as coisas nós conseguimos controlar, mas ainda dá tempo de você aprender a comer macarrão.

Sorte ou azar?

Nem azar ou sorte, apenas você.

Talvez quando você acerte ou ganhe pareça que foi o destino. Algo do tipo “tinha que dar certo, era destino e estava escrito”. Até aí tudo bem, você venceu e conseguiu. Se você quiser dar os seus méritos para o destino tudo bem, vai de você.

Quanto a coisas que não acontecem ou dão errado, por favor, não culpe o destino. É aquela velha história: algumas coisas dão errado para outras darem certo. E pronto. Quando você se sentir extremamente azarada, como se tivesse colado chiclete na cruz, lembre-se que é você quem recebe os resultados das suas ações.

Chega! Pare de pensar que é o destino que age por você. É exatamente como aquela história que lemos na escola, aquele livro que muda a nossa vida, O pequeno Príncipe, sabe? “Tu te tornas eternamente responsável por aquilo que cativas”.

Então pronto: concentre-se, o seu destino é você quem faz.