Em mundo de siliconada, quem não tem peito ou bunda é rainha – não é assim que fala? É complicado se comparar, ou em muitos casos ter como referência, o modelo transgênico panicat de ser. E quando isso vira tendência, é seriamente preocupante. Compre livros e não “suplementos” onde quem vende é quem te treina – se não gostar de ler, vá ao cinema. Quer dizer, desde quando o corpo é mais importante do que o cérebro?

E quem não tem o corpo nos padrões “definidos”, anda com o cérebro onde? Porque assim, entre nós, quem se cobra pra ficar igual panicat ou atriz da novela das nove, aposentou há muito tempo o senso crítico. Todas as pessoas deveriam saber enxergar o que é belo em si – segurança é afrodisíaco, sabe? O seu dedo torto do pé te faz ser diferente, da mesma forma como o nariz “grande” e o seu cabelo armado. Em um mundo onde todos são números e índices, ser único é um bom argumento para querer continuar sendo, não?

Levantem as mãos as mulheres com peito pequeno (\õ)? Levantem as mãos as mulheres com celulites ou estrias? Levantem as mãos as mulheres que assumem o tamanho que vestem? Ainda bem que não tem ninguém vendo, mas com certeza, poucas teriam se manifestado. Concordo que nenhum homem levantaria a mão pra assumir que tem o meninão pequeno, mas não dá pra fingir o tempo todo, não é? Afinal, cedo ou tarde, as luzes são acesas e as lingeries e cuecas são tiradas – e o que fica?

Zemanta Related Posts Thumbnail

Sou do time das pessoas que curtem a imperfeição e não buscam a perfeição inalcançável. Não vou ser hipócrita, super invejo que o biquíni das panicats não marca a lateral da cintura, sabe? Sem contar que quando elas sentam não fica nem meia gordurinha ressaltada. Mas também, cada vez que assisto alguma delas cobrindo uma matéria, fico muito orgulhosa por não ser burra – mesmo que isso signifique não ter barriga de tanquinho. É que a burrice pode broxar, entende?

O mundo anda meio fútil com essas coisas mesmo, viu?! Mas não se preocupa não, que toda inteligência há de ser recompensada. Sou a favor de prezarmos mais por uma boa conversa do que por uma boa pegada. Cada uma tem a sua hora e, com certeza, o resultado do papo é proporcional à qualidade do “after”. E, pra finalizar, barriga de Chopp é charme. Sem mais.