Esses dias uma amiga me perguntou se eu tinha visto a notícia do menino sírio que morreu na praia. E eu falei que não, porque sou dessas sensíveis demais. Então pedi pra ela me contar delicadamente o que tinha acontecido. Logo percebi que ela também não leu a matéria, somente o título. E mesmo assim, considerou como lido e entendido. Acho que hoje sofremos desse mal. Somos a sociedade do imediatismo. A sociedade conectada 7 dias na semana e 24 horas por dia, mas que curte sem ler, compartilha sem concordar e veste a camisa sem entender. Somos uma sociedade totalmente hipócrita, que compartilhou a notícia do menino sírio e se comoveu, sem nem entender o que está acontecendo.

É sério que somos assim? Sabemos como mudar para melhor, salvar os cachorros abandonados, ter uma barriga sarada em uma semana e criticar um governo do qual somos omissos. Sabemos tudo sobre o que acontece nas redes sociais, mas não entendemos o que acontece com a prefeitura da nossa cidade. Nos preocupamos tanto em participar e estarmos ativos digitalmente, que esquecemos de dar bom dia para o padeiro – mesmo que a gente faça check-in na padaria. Somos tão fúteis que curtimos uma foto no Instagram, mas não sabemos fazer um elogio pessoalmente para o amigo.

A sociedade conectada

Postamos tantas e tantas informações inúteis, que paramos de nos preocupar com o que realmente é válido. Será que a lei ainda é válida ou fazemos justiça publicando tudo virtualmente? Nos tornamos justiceiros online e alienados offline? Sinto que temos preguiça de ler, entender, questionar e opinar. Acredito que todos podemos acrescentar algo para alguém, mas estamos ocupados demais para isso. Ingressamos na faculdade para irmos às festas e nunca deixamos a vida de universitários passar, vamos a congressos porque a empresa paga, vivemos em um modo automático porque é mais fácil, nos contentamos do jeito que está porque fazer algo diferente dá trabalho.

Estamos deixando o nosso cérebro atrofiar cada vez que jogamos Candy Crush. Não temos energia para toda essa conectividade. Eu sei que você lembrou do meu aniversário porque o Facebook te notificou. Mas sabe, as coisas perdem um pouco a importância exatamente por isso. Um parabéns no nosso mural não significa nada hoje em dia. Temos preguiça de manter contato e queremos ficar conectados o tempo inteiro. Temos preguiça de nos doarmos um pouquinho para saber como o outro está, e queremos ver o que todo mundo postou. Temos preguiça de ficar online para a vida, porque precisamos checar as nossas notificações. Achamos bonitas fotos de natureza no Instagram com a hashtag #nature mas não olhamos pra outro lugar, se não a tela, quando estamos na rua, na praia, na fazenda ou numa casinha de sapê.

Queremos acompanhar em tempo real o que não precisamos com o tempo que não temos. 

As coisas perdem a graça se a gente não compartilha, eu sei. Então vai para o bar e conta para os amigos o que aconteceu, o que você pensa sobre a Dilma, o que você entendeu do livro que leu, o que rolou na festa e como foi sua viagem. Construam diálogos inteligentes, sejam decentes e ajudem ao próximo sem nada em troca – sem qualquer registro, foto ou vídeo. Usem mais a sua própria memória do que a memória do celular.

Vamos fazer mais bilhetes no guardanapo pra avisar que chegaremos tarde ou que tem comida na geladeira? Vamos ligar para a pessoa e ouvir a voz dela. Quem não se encanta com pessoas que atendem o telefone sorrindo? Não conhecemos mais a letras das pessoas e nem as suas casas. Vamos voltar a assistir filmes juntos? Eu levo a pipoca e você a Coca-cola. Vamos nos ver e nos abraçarmos mais. Existe conexão melhor do que essa?

Nunca antes visto na história da humanidade uma sociedade tão hipócrita quanto a nossa. Só conseguimos ser felizes nas redes sociais porque no dia a dia não dá tempo, não tá bom, ta chovendo, estamos sem maquilagem e sóbrios. Vivemos uma vida falsa para conseguirmos postar e nos sentirmos pertencentes a esse circo deprimente. Quando o assunto é offline, não temos tempo e somos tão frustrados com nós mesmos porque não sabemos pra onde estamos indo.

Vivo em um mundo onde o digital está caracterizando o que será o futuro. E eu não gosto do que vejo. Vivo em um mundo onde vivemos para termos o que postar e ganharmos curtidas, e isso é mais do que triste. Vivo em um mundo que não se olha nos olhos, mas que se sabe como salvar a humanidade: é só compartilhar ideias, notícias e memes mal lidos e esperar que algo aconteça. Uma pena que ninguém compartilhou nada antes do menino sírio morrer não é?

Uma louca que fez da escrita o próprio divã. Crítica da vida alheia nas horas vagas. Curte um bom texto, vinho e jogar conversa fora. É viciada em paçoca e risadas. Tem coração bobo, cabelo pintado e desastres acumulados na cozinha. Atualmente mora em Sydney – Austrália.

37 comments on “A sociedade conectada”

  1. Beca, eu gostaria de tatuar esse texto na testa. Eu me emocionei, confesso. Talvez eu esteja sensível demais e só, mas admito que suas palavras foram um soco no estômago. É exatamente isso, eu até já tentei escrever a respeito, mas você conseguiu por nessas linhas tudo o que eu não consegui. Meu professor de sociologia, estava falando exatamente essas mesmas palavras do primeiro parágrafo outro dia, acho ele genial e agora você também.
    A gente tem tanta informação pronta para ser absorvida, mas o título basta. Gastamos o tempo com aquilo que não acrescenta. A gente nunca tem dinheiro ou um horário para ver os amigos, mas passamos horas a fio fazendo >nada< online. Nossa vida offline virou meramente um reality show para ser exibido online.
    É como as pessoas que vão a shows, lugares bonitos, bares com os amigos e tudo que fazem é filmar/fotografar/estar conectado à internet; enquanto está tudo lá, na ponta do nosso nariz. As pessoas fazem isso para guardarem as recordações, quando, na verdade, nem ao menos estão fazendo essas recordações.
    É intenso, é complicado. A gente precisa acordar, embora saibamos de tudo isso, é mais cômodo não mudar. Você sabe, velhos hábitos são difíceis de se abandonar; mas entendermos isso, é o primeiro passo, eu acho.
    Texto excelente, você manda muito bem, Beca.
    Um beijo!!!!

  2. Olha eu nem sei o que falar foi realmente um tapa na cara. Eu posso dizer que curto uma “natureza”, Ajudo o próximo, gosto de uma roda de conversa quando consigo estar em uma. Mas ainda assim não largo o celular. O problema infelizmente não é o vicio em internet é a alienação. Muita gente realmente mau sabe o que lê na internet e compartilha, defende. Se acha, medico, dentista, psicologo, pai de santo, engenheiro, designer, comunista, protestante, cristão por que pesquisou qualquer coisa sobre no google. Essa geração poderia ser uma arma contra muita coisa tendo a acessibilidade que tem hoje, mas escolheu ser alienada e escrava. Sou obrigado a dizer essa afirmação pode ser (quase) generalizada, sendo assim isso inclui a mim. Ótimo texto.

  3. Porquê eu não conheci esse blog antes?

    Menina, que texto incrível. É exatamente a revolta que vejo nesse mundo conectado.

    Mas existe um adendo na sua história: existem sim aqueles que vão lá e fazem. O problema é que eles se baseiam em compartilhamentos sem fundamentos, espancam alguém porque parecia com aquele ladrão, matam a outra porque compartilharam dizendo que ela era uma bruxa e fazia rituais com crianças indefesas. Sem embasamento, sem provas.

    Sinceramente, não sei o que é pior…

  4. Caramba, tu conseguiu colocar em palavras exatamente tudo o que eu penso! Já comecei a escrever um texto assim mas mudei o rumo dele, porém ainda vou conseguir organizar as minhas ideias como tu conseguiu. Ficou incrível!!
    As redes sociais, a internet, tudo acabou facilitando a nossa vida. Servem pra tantas coisas boas, mas e o lado ruim? As pessoas esquecem de se visitar, pois podem mandar mensagem no whatsapp. Esquecem de aproveitar o momento pra ficarem tirando fotos e postar no instagram. Tudo isso que existe hoje faz a gente esquecer do mundo ao nosso redor e se focar em um mundo que não existe, que foi criado dentro de nós. Uma coisa muito triste que eu vi esses dias foi quando saí com uns amigos para jantar. Na mesa ao lado da nossa, quatro amigos estavam sentados e não trocavam uma palavra, só ficavam no celular. O único momento em que vi eles conversando foi pra tirar uma foto – e aposto que era só pra postar, e não pela lembrança. As redes sociais que deveriam nos conectar estão nos deixando cada vez mais solitários.
    Mais uma vez, ótimo texto!
    Beijoss

    • Oii Mariana!! Obrigada!! Que alegria ver que voce realmente curtiu. Acho mesmo que as redes sociais e toda essa conectividade nos deixam cada vez mais solitarios. Estamos pagando um preco bem alto. Obrigada por participar do blog. Beijinhos

  5. CARACA, de queixo caído, muito bom seu texto! Mesmo.
    Eu estava pensando nisso esses dias, e eu sinto vergonha de fazer parte disso, mas ainda sou um pouco menos “desconectada”, pelo menos nos apps de celular, eu passo mais parte do tempo no computador (ou seja = facebook) porque trabalho com ilustração. Não sou dessas que prefere filmar o show do que assisti-lo, ou ficar tirando selfie em vez de curtir o rolê ou algo assim, espero acabar não ficando assim, como você descreveu no post.
    Eu fiquei doente e não conseguia ficar no pc, nem trabalhando, passei mais tempo com minha família (que estão todos gripados também), e por isso andei pensando isso, em como faz falta fica offline.

    Beijo, agradeço sua visita no meu blog ♥ adorei conhecer o seu!!!
    http://www.apenasumhobbie.com

  6. Seu texto é um tapa na cara e reflete o que a nossa sociedade precisa ouvir, mas foge. Compartilho de muitos dos pensamentos compartilhados no texto. Fico feliz de ver as pessoas falando também de assuntos sérios nos blogs. Parabéns.

    • Oii Ane! Fico muito feliz por saber que voce compartilha da minha opniao! E eh sempre bom poder discutir temas um pouco mais serios.. acho importante pro cerebro continuar funcionando. hahahah Obrigada por participar. Beijinhos

  7. Olá!
    Adorei o post! O seu blog é maravilhoso! Já estou seguindo!
    Eu tenho um blog acerca de livros, pensamentos e palavras, palavras verdadeiras.
    Dá-me a honra da sua visita?
    Fico à espera!
    De qualquer maneira muito obrigada!
    Um Grande Abraço diretamente de Portugal para você!
    Margarida Ferreira
    vivendocomaspalavras.blogspot.pt

  8. CONCORDO! Existe muitas pessoas que realmente acabam compartilhando algo sem ler na internet e quando perguntamos o que aquela notícia significa eles simplesmente não sabem o que dizer a respeito. E até admito: sei mais coisas da rede social do que as desordem da prefeitura da minha própria cidade.
    Acho que vou abrir mais os meus olhos com relação a isso, depois desse texto. Parabéns !
    Beijos.

    http://rafaeljviana.blogspot.com.br/

  9. Caraca, seu texto foi surpreendente! Juro que já fiz um post sobre esse assunto no blog, logo no início e está um lixo comparado com o seu, mas é basicamente a mesma coisa que eu disse.
    Eu concordo totalmente, e não posso mentir, eu vivo conectada. No último feriado viagem sem o celular, para mudar esse hábito e confesso que foi muito bom, e eu reparei as pessoas em volta de mim, que não largavam e vi o quanto era chato, o quanto a pessoa perde tempo nessa porcaria.

    Beijos, Love is Colorful & Sorteio Lentes para Celular

  10. Eu odeio o que eu vejo. Não conversamos mais, todos vidrados olhando pra tela do celular.. Isso me incomoda demais. Eu odeio notificação, coloco tudo no silencioso sempre.. E como você, também não soube do menino sírio mas depois fui me informar e aí eu fui ver a quantidade de pessoas que só leram as coisas por cima e o quanto isso acontece com muita frequência. É triste =/ Compartilho da mesma ideia 100%!!

    • Oii Isa! Seja bem vinda ao blog. Eu tambem uso o modo silencioso pra me defender as vezes. Volta e sempre chego em casa e pra ficar quietinha na minha coloco no silencioso. Ai sim, curto um pouco “desconectada”.. HAHAHA Obrigada por participar. Beijinhos

  11. isso só me lembra uma senhorita que entrou no meu blog só pra dizer que meus posts eram longos demais então eu tive uma reflexão mais ou menos parecida sabe… quando as pessoas viraram tão preguiçosas quando se trata de ler cara?
    Se teve outra coisa que aprendi na universidade foi: só curta aquilo q vc gosta só compartilhe aquilo que é relevante
    com isso passei a publicar bem menos no meu facebook pq cada vez que eu ia colocar algo pensava isso é relevante? com o tempo passei a ver o facebook como um item dispensavel tantop que hoje dia eu tenho ele apenas para participar de grupos e nele nao contem nenhum amigo
    enfim adorei o post é uma reflexão ótima e um tapa na cara dessa nova sociedade que infelizemnte está muito deturpada

    http://www.meumuraldeideias.com

    • Oii Marcelle. Serio que voce foi criticada pelo tamanho dos posts? AFFFFF. Ainda bem que voce nao se abalou por isso. Estamos no mundo da preguica. So o facilitado e’ bem visto. Obrigada por participar do blog. Beijinhos

  12. Adorei o texto!! Tão conectados quanto alienados. Essa é verdade.
    É esse bum de informações e conteúdo que recebemos de forma louca (porque exagerada é pouco) está obrigando as pessoas a “estar por dentro” de tudo. É a necessidade de estar no assunto mesmo que na maioria das vezes conhecendo apenas o título do assunto.
    E isso é culpa das conversas rasas, das conversas rápidas. As pessoas não tem tempo de sentar e conversar, de discorrer sobre assunto nenhum. Sendo assim o título e a sua comoção já vale uma participação no assunto. Tá tudo muito superficial. :/

    Beijos!
    Camila, https://vaitercha.wordpress.com/

  13. Sempre gosto de ler textos com este assunto, mas nunca encontrei um que falasse com tanta virtuosidade. Vejo as dicas descritas como algo que reataria o relacionamento humano pessoal. Imagino que alguém que está sem internet ou bateria no momento de sair de casa, não saberia como deixar o recado “chegarei tarde”. Sinto-me feliz de não fazer parte da sociedade conectada.

    PS: Como aumentou o número de comentários hein?

    PS 2: Gosto do fato de que, mesmo que possamos apagar as palavras e reformular as frases no computador, muitas pessoas ainda usam o “PS”.

    • Oii Tales! Exatamente.. parece que sem um dispositivo que pense pela gente, nao conseguimos formular um bilhete. HAHAHAHA A gente tem que rir pra nao chorar. Realmente, tem mais gente participando do blog. Que bom que voce notou. E eu sou a louca dos PS (principalmente quando escrevo emails) =) Muito obrigada por voltar e participar do bloG. Beijinhos

  14. Muito pertinente a sua crítica, concordo plenamente. Esse paradoxo entre estar conectado com a internet e, ao mesmo, tempo desconectado com a vida é que está moldando a nova geração de “avatares”, por assim dizer. De pessoas que se escondem por trás de redes sociais e ilusões virtuais.
    Aliás, é, no mínimo, irônico afirmar que o Facebook, por exemplo, é uma rede “social”, pois de social ela não tem nada.

    Bom, seu texto é muito bom e capaz de despertar inúmeras reflexões que eu não quero me atentar tanto, senão escreverei maior que o seu hahaha

    Acredito que no futuro, a tendência seja piorar, tenho mais ou menos aquela visão de uma série chamada “Black Mirror”, conhece?

    Adorei conhecer seu blog ^^

  15. Um texto sensível, pois descreve claramente a sociedade que estamos formando; pessoas que não mandam notícias por cartas, que não ligam para fazer convite algum, que não vivenciam emoções que não sejam as feitas pelas redes sociais (para demonstrar à todos) o tamanho do “amor, carinho e respeito…” Acho estranho esta colocação de “me sentindo doente, com raiva, com isso e aquilo”; compartilha-se frases e contextos mas não se segue; apregoa-se o perdão e correntes, mas a realidade está tão distante!!!
    Sabe, às vezes fico observando e imaginando onde tudo isso vai parar… Parabéns mais uma vez!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *