Chame de arrogância se quiser, mas eu preciso dizer que consegui. Mesmo sendo julgada e desacreditava por ter vivido o que vivi, eu cheguei onde quis – como se desde sempre eu soubesse a direção correta. Fala sério, eu não sabia de nada não, juro. Eu só estava cansada de aceitar como verdade o que vinha dos outros. E a minha verdade, onde estava?

Sabe como é, agora não me apego mais ao palpite alheio e nem tenho tempo pra aceitar crítica construtiva de que nunca construiu nada. Ando ocupada vivendo a vida que eu sempre quis, seguindo bem comigo mesma e carregando gratidão por ser quem eu sou. Podem desacreditar de mim, mas deixem recado que quando der eu respondo.

Arrogância é o nome? Então que seja. Não foi fácil me fazer de forte quando as minhas feridas ainda sangravam; quando fui menos sabendo que podia ser mais só pra passar despercebida; quando disse sim querendo dizer não só pra evitar conflito. É que eu já carregava tanto conflito dentro de mim, sabe? Só não dava mais.

Chame de arrogância se quiser

Photo by Joshua Rawson-Harris on Unsplash

Chame de arrogância se quiser, mas eu preciso dizer que fiz por mim mesma. Não foi fácil engolir os medos, anestesiar os traumas e sorrir pra começar o dia. Não foi fácil seguir carregando essa batalha interna comigo mesma pra todo canto aonde quer que eu fosse, magoando a minha essência e ignorando um pouco da minha verdade. Eu estava sozinha.

Sabe como é,  ainda me defendo e raramente baixo a guarda, me criei na rua e aprendi a sobreviver desse jeito. Então aceito os julgamentos dos meus erros de moça quebrada porque eu não sou mais assim. Fala sério, eu sempre tive o direito de ser quem eu quero ser e o que pensam disso eu ignoro porque só a minha verdade importa pra mim.

Arrogância é o nome? Então que seja. Mesmo carregando uma alma magoada eu nunca me vendi. Acreditei na minha trajetória, me encontrei no meio de uma bagunça que não me pertencia e fiz de mim quem eu queria ser e não o que achavam que eu era. Encontrei a minha verdade e consegui o que queria e não o que me diziam possível – arrogância é o meu sobrenome.